Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Somos todos normais, até termos filhos!

Aquele que já foi o Blogue da Mafalda | Por Ana Fagundes Lourenço

Somos todos normais, até termos filhos!

Aquele que já foi o Blogue da Mafalda | Por Ana Fagundes Lourenço

Festa de Natal colégio - Ano 2019/2020

16.12.19, Ana Fagundes Lourenço
E este fim-de-semana tivemos a festa de Natal da Mafalda. A avó está cá e a miúda não podia andar mais feliz. Podem pensar que não, mas o convívio intergeracional faz maravilhas a uma criança. Posso afirmar, com toda a certeza, que em 6 dias a minha mãe "estragou" a educação dos últimos meses. Mas como educar não é propriamente a função dela, nem me importo. As gargalhadas da Mafalda valem isso e muito mais. Estava eu a dizer que lá fomos (pais, Mafalda, avó e tio-avô) (...)

Aproveitem os vossos filhos

É que o tempo não passa depressa, ele voa!

21.09.19, Ana Fagundes Lourenço
Ninguém nos prepara para isto, ninguém. Engravidamos e ouvimos aquela conversa sobre o estado de graça e purpurinas e afins. Esquecem-se dos (muitos) quilos a mais, dos pés inchados, das alterações de humor e das noites mal dormidas. Sobrevives à gravidez. O último mês tem 390 dias e, mesmo sabendo que vais ter dores, ficas feliz quando entras em trabalho de parto. Nasce a criança e ficas numa espécie de primeiro amor, aquele que nunca se esquece! Depois vem a vida e dá-te um (...)

Os dias são longos mas os anos são curtos

10.04.19, Ana Fagundes Lourenço
O Instagram relembrou-me de uma publicação de há 2 anos, quando regressei de umas férias na Terceira. 2 anos! Que é isto, senhores? Nessa foto estava no meu carro com a Mafalda. Ela tinha 8 meses. Não andava, não falava grande coisa, mas tinha um sorriso que derretia o meu coração. Hoje as coisas estão ligeiramente diferentes: Corre, salta, dança, fala pelos cotovelos, não tem qualquer barreira de censura (diz T-U-D-O o que lhe vem à cabeça) e tem um feitiozinho que me vai (...)

Estão a demonizar a maternidade. E eu não gosto

19.02.19, Ana Fagundes Lourenço
Se antes criticava o facto de ser quase obrigatório referirmos que a maternidade é só floreado cor-de-rosa, agora critico o inverso. Há uma nova onda nas redes sociais que defende que a maternidade é o pior do mundo. Sim, mães extremosas que se referem a esta nova etapa como "merda da maternidade" e afins. Vamos lá ter calma. A maternidade é, de facto, difícil. E quem diz o contrário é quem nunca esteve em casa a ouvir um bebé berrar durante horas. As cólicas são lixadas, o (...)

Ah, as maravilhas da maternidade...

03.02.19, Ana Fagundes Lourenço
  Estar em casa com uma bebé doente é quase como ir à guerra. Tens uma missão e estás disposta a tudo para seres bem sucedida: Ajudar a cria a ficar novamente saudável. E até lá permites tudo: Só come se quiser, dorme na cama dos pais, espalha brinquedos pela casa...Quando dás por ti, andas em pontas dos pés para não atropelares a Minnie, o Mickey e os amigos.   Limpas litros de ranho com a maior felicidade do mundo, porque "é sinal que está a expelir".   A (...)

Socorro! A minha filha vai fazer análises

31.08.18, Ana Fagundes Lourenço
A Mafalda tem ficado doente mais vezes do que seria desejável. Após alguns episódios e muita medicação, a pediatra achou por bem fazer um estudo alergológico. Por mim tudo bem, até porque se pago impostos é para a minha filha ter acesso a cuidados de saúde - já que as consultas de especialidade me saem do bolso. O problema é que para fazer esse estudo...a Mafalda vai ter de dar um pouco do seu sangue. E acho que não é preciso explicar o que isso implica. Considero-me uma (...)

Entrámos nos "terrible two"

07.08.18, Ana Fagundes Lourenço
No dia 26 de Julho festejámos o segundo aniversário da Mafalda e...a entrada nos chamados "terrible two". A minha bebé cresceu e percebeu que é um ser autónomo e não uma extensão da mãe. Tem vontade própria e uma grande intolerância ao "não". A fase não é propriamente uma novidade para mim pois já estagiei com os meus dois sobrinhos. O problema é quando estamos sozinhos com uma bebé que grita por tudo e por nada e não temos ninguém com quem deixá-la durante dois minutos (...)

Sim, a maternidade leva-nos tudo

19.09.17, Ana Fagundes Lourenço
Assim que engravidamos perdemos a identidade. Deixamos de ter nome e passamos a chamar-nos "Mamã". As amigas deixam de querer saber como estamos e passam, apenas, a perguntar pelo "bebé". Durante a gravidez olham somente para a barriga e esquecem que temos...uma cara. Enfim, penso que qualquer mãe entende aquilo que quero dizer. Depois da gravidez, nasce a cria, o rebento, o herdeiro, whatever. E continuamos a ser apenas "mamã" ou "a mãe de fulano". E a nossa vida passa a girar à (...)