Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Somos todos normais, até termos filhos!

Aquele que já foi o Blogue da Mafalda | Por Ana Fagundes Lourenço

Somos todos normais, até termos filhos!

Aquele que já foi o Blogue da Mafalda | Por Ana Fagundes Lourenço

Sobre o desenvolvimento pessoal

01.12.19, Ana Fagundes Lourenço

Passei a semana em formação.

Inscrevi-me em "produtividade e gestão de tempo". Considerando que muitas vezes reclamo do excesso de trabalho e da escassez do tempo, achei que seria de grande utilidade frequentar esta formação. E foi. Mas não por esse motivo.

Na Segunda-feira entrei na sala e o formador avisou-me que tinha sido enganada, pois a formação de gestão de tempo era, afinal, sobre psicologia do tempo. Confesso que pensei que o homem era doido, mas como sou educada sentei-me caladinha até perceber do que se tratava. E foi o melhor que fiz.

Eu não estava familiarizada com o desenvolvimento pessoal. É verdade que tento meditar, que uso algumas técnicas para relaxar, mas o desenvolvimento pessoal em si não me dizia nada. E sinceramente, considerando alguns "coachs" que por aí andam, essa conversa do desenvolvimento pessoal e da felicidade não me suscitava grande interesse.

É de referir que nesta formação ninguém descobriu a pólvora. Os conteúdos partilhados não foram a última descoberta da ciência. O que nos foi ensinado foi a colocar tudo em causa, a pensar, a questionar, a desafiar. Isso sim, foi novidade. E foi novidade porque nas sociedades modernas andamos um bocadinho reféns da vida, presos a uma rotina que não nos mata, mas consome um pouco de nós todos os dias. É o trânsito, é o trabalho, é o stress, são os prazos...lá está, é a vida a consumir-nos.

Esta semana aprendi a pensar mais em mim, a pôr-me não em primeiro lugar, mas numa posição de equilíbrio. Aprendi a definir com clareza quais as minhas "bolas de cristal" e quais as "bolas de borracha". Aprendi que não é errado dizer "não", nem mandar à merda mentalmente se isso nos fizer bem.

Aprendi, sobretudo, que somos nós que nos boicotamos. Que voltar ou não a fazer exercício depende apenas da minha vontade e não da de terceiros. Que posso e devo sentar-me uma meia hora por dia a ler se isso me trouxer felicidade.

Podia resistir a essas ideias, mas permiti-me mergulhar nos conteúdos transmitidos e participar de forma entusiasta nos exercícios. Reflecti, agradeci, dei abraços e tomei decisões.

A Ana que saiu daquela formação não é de todo a Ana que entrou por aquela porta na Segunda-feira. E o meu marido foi o primeiro a reparar nisso. Chegou até a dizer-me que não sabia o que eu andava a fazer no Faial, mas que já devia ter ido há muito tempo! Consegui relativizar muitas coisas e arrumar outras tantas. Afinal, se não nos fazem bem, por que motivo devemos perder tempo com elas? E acredito que ao priorizar, estou a caminhar no sentido de ser melhor pessoa, melhor profissional, melhor esposa e melhor mãe.

Além da praticidade da formação, é de realçar a parte humana que é, obviamente, a mais importante: Minhas companheiras, vocês são do caraças! Trabalhadoras, mães, filhas cuidadoras, donas de Kikos! Aprendi tanto convosco, e estou grata por isso. E claro, o formador que é assim para lá de porreiro. Um excelente comunicador, sempre com paciência para as minhas intervenções nem sempre pertinentes, mas quem me conhece sabe que falo pelos cotovelos! Vejam lá que o homem diz que falar por mil é um talento! Parece-me que vais ter de levar comigo em mais formações amigo. E se eu me entusiasmar, ainda me aturas no coaching pessoal!

E é agora que informo que vou aderir ao desafio da ignorância selectiva. Somos bombardeados diariamente com informação de tal forma agressiva e desnecessária que não só consome o nosso tempo, como ainda pode ter efeitos negativos sobre a nossa saúde. E é preciso filtrar, diminuir a nossa exposição e esses estímulos.

Por isso, meus torrõezinhos de açúcar, vou desligar durante 1 semana. Nada de blogue, nada de notícias, nem de redes sociais. Apenas música e livros de ficção para mim. Ao fim de uma semana logo avalio os benefícios deste desafio.

E se me permitem o conselho, frequentem nem que seja uma única vez uma formação desta natureza. Respeitem-se ao ponto de saírem da rotina, deste mundo de loucos, mesmo que apenas por algumas horas.

Sejam gratos!

gratidao-detox-de-corpo-e-alma.png

 

Instagram & Facebook

3 comentários

Comentar post