Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Somos todos normais, até termos filhos!

Aquele que já foi o Blogue da Mafalda | Por Ana Fagundes Lourenço

Somos todos normais, até termos filhos!

Aquele que já foi o Blogue da Mafalda | Por Ana Fagundes Lourenço

Estão a demonizar a maternidade. E eu não gosto

19.02.19, Ana Fagundes Lourenço

Se antes criticava o facto de ser quase obrigatório referirmos que a maternidade é só floreado cor-de-rosa, agora critico o inverso.

Há uma nova onda nas redes sociais que defende que a maternidade é o pior do mundo. Sim, mães extremosas que se referem a esta nova etapa como "merda da maternidade" e afins.

Vamos lá ter calma. A maternidade é, de facto, difícil. E quem diz o contrário é quem nunca esteve em casa a ouvir um bebé berrar durante horas. As cólicas são lixadas, o rasgar dos dentes também e as birras...Ai as birras...(ainda estou nessa fase e dói muito). Digo com a maior convicção que a maternidade é o "trabalho" mais difícil do mundo.

Mas também é o melhor! Quem não se derrete com o primeiro sorriso do filho? Com a primeira palavra, mesmo que seja "papá"? Quem não solta aquela lágrima quando dá os primeiros passos? E quando dormem na nossa cama e passamos a noite a mimá-los e a sentir aquele cheirinho tão bom?

Portanto, queridas mães com hormonas aos saltos, eu entendo-vos. A sério que sim. É tramado, é cansativo e, algumas vezes, frustrante (principalmente naqueles dias em que nos sentimos as piores mães do planeta). Mas é o melhor do mundo. Pelo menos do meu mundo.

 

Nota: Tenho a perfeita noção de que vou mudar de ideias na próxima birra da Mafalda. Mas até lá, deixem-me pensar assim.

 

Ah, as maravilhas da maternidade...

03.02.19, Ana Fagundes Lourenço

c1a6f612c9756da8ae3390122c61b966.jpg

 

Estar em casa com uma bebé doente é quase como ir à guerra. Tens uma missão e estás disposta a tudo para seres bem sucedida: Ajudar a cria a ficar novamente saudável. E até lá permites tudo: Só come se quiser, dorme na cama dos pais, espalha brinquedos pela casa...Quando dás por ti, andas em pontas dos pés para não atropelares a Minnie, o Mickey e os amigos.

 

Limpas litros de ranho com a maior felicidade do mundo, porque "é sinal que está a expelir".

 

A programação não é alvo de discussão: Se ligas a TV, tens de optar por um dos seguintes: Panda, Jim Jam ou Baby Tv. Se não ligas, tens de levar com músicas infantis. Vais sofrer, no matter what.

Mudar a fralda tornou-se mais difícil do que ganhar o euromilhões. Quem te mandou enfiar supositórios pelo rabo acima da miúda? Quem tem cu tem medo, e a criancinha agora não confia em ti. Aguenta e não chora.

A coisa correu bem, quando começou a tomar o primeiro antibiótico do ano. Segunda-feira regressou ao colégio e eu ao trabalho.

Na sexta-feira, brindou-me com uma gastroentrite. 

E vou poupar-vos aos pormenores.

 

(apesar de tudo, ser mãe continua a ser o melhor do mundo. entretanto, comprámos um xarope paracetamol e a criança já voltou a confiar-nos o seu rabo.)